O Bragantino é um dos clubes mais tradicionais do interior paulista, tendo inclusive conquistado um título de Campeão Paulista da Primeira Divisão, fato ocorrido em 1990. É uma agremiação que viveu altos e baixos e hoje vive uma situação estável, lutando para retornar à elite do futebol brasileiro, coisa que já acontece no paulista.

A fundação aconteceu no dia 08 de janeiro de 1928 por dissidentes do Bragança Futebol Clube, equipe que era rival do Bragantino. A partir daí, o “Massa Bruta” passou a colher frutos com resultados altamente satisfatórios.

Durante as disputas dos campeonatos amadores, desde sua fundação, o maior rival do Bragantino no futebol era a equipe do Bragança Futebol Clube. Em 1944, para vencer e acabar com fama de perdedor, o time chegou a contratar alguns atletas importantes da capital para poder derrotar seu “inimigo “número um”, o Bragantino.

Mesmo com uma equipe teoricamente inferior, o Massa Bruta derrotou o Bragança e como forma de homenagear o clube, Cícero Marques, então presidente do Bragantino, mandou fazer um quadro com a figura do Leão. Desde então o animal virou a mascote do clube,

A sequência da vida

Em 1949 participou pela primeira vez de um campeonato profissional e tentou o acesso por 15 anos até conseguir. Em 1958 assume como presidente do clube aquele que mais conquistou títulos na história do Bragantino, Nabi Abi Chedid. Em 1965, conquistou o Paulista da Segunda Divisão e subiu para a Primeira Divisão estadual. Porém, sem estar estruturado para a competição, amargou o rebaixamento já no ano seguinte, em 1966.

Sabendo das dificuldades de disputar uma competição tão importante, a diretoria resolveu se estruturar para buscar novamente uma vaga na elite do estado. Este fato ocorreu em 1988, quando foi novamente campeão da Segunda Divisão.

Nesta data começou a “Fase de Ouro” da equipe de Bragança Paulista. E ela perdurou por muito tempo. Foram muitas conquistas que fizeram com que o Bragantino ficasse conhecido em todo o País.

Em 1989 disputou o Brasileiro da Série B e ganhou o seu primeiro título nacional, garantindo assim o direito de disputar uma competição com os melhores clubes do Brasil.

Em ótima fase, o Massa Bruta sagrou-se Campeão Paulista da Primeira Divisão no ano de 1990, revelando para o mundo o até então desconhecido técnico Wanderlei Luxemburgo. A equipe decidiu a competição contra o Novorizontino numa final que foi chamada de “final caipira”. Na época o Bragantino cedeu nada mais que seis jogadores à Seleção Brasileira. Até hoje nenhuma equipe do interior cedeu tantos atletas para uma seleção nacional. Gil Baiano, Mauro Silva, Mazinho, Alberto, João Santos e Sílvio foram estes atletas.

No ano seguinte, 1991, manteve-se a base da equipe (foto à direita), mas perdeu-se o treinador. Porém, o presidente do clube, Nabi Abi Chedid, foi buscar nada menos que Carlos Alberto Parreira, outro “ilustre desconhecido” que havia acabado de chegar dos Emirados Árabes. O sucesso permaneceu em Bragança e o time foi o Vice-Campeão Brasileiro, conquistando o direito de disputar sua primeira Conmebol, além de receber vários convites para excursionar pelo mundo afora.

Os anos seguintes foram de algumas trocas de elenco, mas sempre com  o mesmo sucesso. Nos anos de 1992 e 1993, a equipe disputou a segunda e terceira Conmebol, torneio sul-americano. Em 1996 o time disputou sua terceira Copa Conmebol, mas já estava no início de sua fase decadente.

A decadência

A fase que podemos chamar de “negra” na vida do Bragantino começou ainda com um bom resultado. No ano de 1995 o time fez um bom campeonato brasileiro e terminou a competição num ótimo sexto lugar. Mas o segundo semestre foi cruel com o “Massa Bruta”. A equipe não conseguiu repetir as boas atuações do Nacional e caiu para a Segunda Divisão do Paulista, a atual Série A2.

Sentindo a inflação do campeonato, onde os grandes clubes começaram a pagar fortunas para ficar com os melhores jogadores do País, o Bragantino começou a amargar resultados negativos. Em 1996 a equipe cai para a Segunda Divisão Nacional ao lado do Fluminense (RJ). Porém a CBF anula a os rebaixamentos e o time de Bragança Paulista segue na elite. Mas as dificuldades permanecem e em 1997 o time só se salva pelos critérios de desempate. Em 1998 o inevitável acontece. Depois de mais uma campanha irregular, o Braga fica em penúltimo lugar no Brasileiro e é rebaixado definitivamente para a Segunda Divisão. Fica nesta Divisão por mais quatro anos e em 2002 cai para a Terceira Divisão do Brasileiro.

O recomeço

A volta por cima começou com o retorno do presidente Marquinho Chedid (foto à esquerda) ao comando da equipe. Os primeiros anos foram de luta para resgatar as origens do clube. Durante os anos de 2002, 2003, 2004 e 2005, as campanhas não foram suficientes para fazer a equipe voltar a ser considerada vencedora.

Mas esta situação começa a mudar em 2005. Com uma equipe formada por jogadores jovens e que queriam vencer na profissão, o Bragantino garante classificação entre as quatro primeiras colocadas do campeonato e conquista novamente o acesso à elite do futebol de São Paulo.

Este resultado dá moral ao time a cidade, que juntos passam a viver novos momentos felizes na sequência. Em 2006 o time disputa a Copa Federação Paulista de Futebol e conquista o vice-campeonato, garantindo assim o direito de disputar a Copa do Brasil. Uma semana depois da conquista a cidade fica de luto. Morre o presidente de honra e homem que muito lutou pelo clube, o vice-presidente da CBF, Nabi Abi Chedid.

A volta dos bons tempos

O ano de 2007 começou de forma honrosa e o Bragantino, após disputar o Paulista da Série A1, termina a competição em quarto lugar, ficando a um ponto da final da competição. O segundo semestre foi melhor ainda. Mantida a base, a equipe realiza um excelente Campeonato Brasileiro da Série C e conquista o título, garantindo o direito de disputar a Série B no ano seguinte. Nesta temporada foram revelados os jogadores Felipe, Zelão, Moradei e Everton, que após deixar o clube de Bragança Paulista passou a ser chamado de Everton Santos. Mais uma vez os valores que se destacaram deixaram o clube, porém se manteve a base na temporada 2008 e o Bragantino disputa um grande Brasileiro da Série B. Termina a competição na sexta colocação depois de lutar pelo acesso até a penúltima rodada da competição.

Os anos de 2009 e 2010 foram bons para o clube que negociou vários jogadores, entre eles Diego Macedo (Atlético/MG), Paulinho (Corinthians), Bill (Corinthians), Somália (Botafogo/RJ) e Danilo Bueno (Turquia), e permaneceu na Série B Nacional, o segundo campeonato mais disputado do País.

Já o ano de 2010 o time não conseguiu apresentar um futebol de encher os olhos dos torcedores, mas conseguiu permanecer na elite Estadual e na Série B Nacional. Em 2011 o ano começou sofrível. No primeiro semestre o Braga só conseguiu se livrar do rebaixamento na penúltima rodada do Estadual. Porém, no segundo semestre, o time fez uma campanha excelente e entrou na última rodada da Série B dependendo de suas forças. Mas jogava fora de Bragança Paulista e mais uma vez permaneceu na Série B Nacional.

Nos anos seguintes por pouca pontuação o Bragantino não obteve acesso à elite do Futebol brasileiro e em 2015 foi rebaixado para a série A2 do Campeonato Paulista e em 2016, após 10 anos na serie B, foi rebaixado para a Série C do brasileiro.

Retorno À Elite 

Em 2017 o Bragnatino conquistou o vice-campeonato Paulista da A2.

E a luta continua…

Toda a equipe e sua diretoria estão trabalhando focados para a retomada do clube a categoria superior do Campeonato  Brasileiro.